Petra - A cidade Nabatea da Jordânia

Petra - Al- Khazneh

Por: Concha Pelayo, Espanha   - Breve história para um grande descobrimento. 

"Eu amo Petra desde o minuto em que toquei os pés em seu solo. Desde o momento que suas gargantas se abriam aos meus passos e meus olhos iam se enchendo com sua luz".

Localizada no sul da Jordânia, a cerca de 300 quilômetros ao sul de Amã, Petra citada na Bíblia sob o nome de Sela, em hebraico, significa "Rocha", embora nem todos os historiadores concordem em atribuir esse topônimo, pois há outro local com o mesmo nome a cerca de 40 quilômetros ao norte de Petra.Petra

A antiga cidade Nabatea é esculpida em rochas vermelhas e escondida em um vale misterioso e imperturbável que se manteve desconhecido do mundo ao longo dos séculos, até que o explorador suíço Jean Louis Burckhardt se deparou com ela em 1812. Aconteceu por acaso, por uma mudança de itinerário. Escolheu a entrada pela atual Jordânia e não pela via de Trípoli como haviam feito outros exploradores desaparecidos. Por dois anos, aprendeu a língua e os costumes árabes, deixou a barba crescer, se converteu ao islamismo e mudou seu nome para Abdullah Ibn Ibrahim. Morreu aos 33 anos, e foi sepultado no cemitério muçulmano no Cairo com o nome adotado.

Mas, muito antes de empreender a viagem e encontrar o lugar, teve que passar por várias vicissitudes. Ele tinha ouvido falar de uma cidade sagrada, cheia de tesouros e escondida em algum lugar em Wadi Mousa. Ele convenceu um guia que falou com os beduínos e lhe permitiram sacrificar uma cabra no túmulo de Haroun (Aarão) irmão de Moisés, que se localizava no final do vale. Assim, por meio deste estratagema pensou que podia ver o vale no caminho para o túmulo. O guia não teria nada a se opor, porque se ele fosse contra tal desejo, a ira do próprio Aarão cairia sobre ele e não poderia resistir.Petra10

E foi assim que conseguiu chegar à Petra. Foi tanto seu fascínio, como o medo de que descobrissem seu ardil. Burckhardt foi guardando na memória o que viu, para em seguida, escrevê-lo em seu diário. "Desculpe, não posso dar um inventário completo destas antiguidades, pois sei muito bem o caráter das pessoas ao meu redor, estava desprotegido no meio de um deserto, onde nunca antes tinham visto um viajante e um exame detalhado dessas obras de infiéis, como eram chamadas, teria levantado a suspeita de que eu era um mago em busca dos tesouros. Pelo menos, teria sido preso e impedido de continuar minha viagem para o Egito. Com toda a probabilidade, teriam roubado o pouco dinheiro que dispunha e o que era infinitamente mais valioso para mim, o meu diário”.

Assim, dissimulando a emoção de pisar na mítica cidade esquecida Burckhardart foi entrando pela estreita fenda do Sic acompanhado apenas pelo silêncio e incerteza. Hoje, mais de três mil pessoas fazem diariamente o mesmo percurso, entrando pelo fascinante desfiladeiro, fotografando freneticamente cada forma, cada fachada, cada monumento esculpido na pedra rosada.Petra11

História

Petra está diretamente associada ao povo Nabateu, que chegou a essas paragens quando o antigo reino de Edom estava lutando para sobreviver com os poderosos judeus de Judá. Os Nabateus eram nômades e vêem da Península Arábica até o século VI d. C. Os persas atravessaram maus momentos, o que os levou a descuidar os seus territórios palestinos, fato que levou os Nabateus a acampar livremente na região. Fundaram a cidade escondida em um vale isolado e lhe converteram na capital dos seus domínios.

Antes de se estabelecer no vale, os nabateus eram temidos por semear o terror assaltando quem estivesse em seu caminho. Mais tarde, eles começaram a cobrar taxas e pedágios das caravanas que cruzavam o caminho dos reis, entre o Mar Morto e as cidades helenizadas da Decápolis. O rigor do deserto impedia buscar outros caminhos. Os Nabateus, pelo contrário, eram hábeis e se moviam pelo deserto com facilidade para encontrar a água que o vale escondia. Este fato os tornou verdadeiros engenheiros hidráulicos para deter a água que vertia ao Sic vindas de 19 nascentes. Esta circunstância fez de Petra uma cidade próspera que chegou a contar com 30.000 habitantes quando Roma conquistou-a em 106. Os Nabateus tinham construído uma barragem no lugar da entrada, que canalizava o líquido em um incrível túnel com 88 metros de comprimento e seis metros de altura pelo qual hoje os viajantes se aventuram em direção a outros caminhos cheios de surpresas, porque os turistas não se detém nos caminhos normais, nem nos reservatórios nem nas represas de alvenaria construídas para proteger a cidade de inundações, mas procuram sempre mais surpresas e Petra lhes dá com uma incrível sabedoria cênica, quase cinematográfica.Petra14

Os Nabateus haviam estendido sua influência para a vizinha Síria, onde descobrem outra importante civilização: a romana. Sua permeabilidade cultural logo se fez notar na arquitetura que desenvolveram em Petra. O gosto pela arte grega e egípcia se manifesta em fachadas e estruturas de seus edifícios, fato que não passa despercebido para o curioso que hoje chega a Petra. Diziam os gregos, orgulhosos de sua arte, que os romanos, quando descobriram sua arquitetura , invejosos, quiseram imitar e superar em grandiosidade, porém essa monumentalidade, longe de conferir harmonia e estética que mantinha toda a arquitetura grega, se resumia em bruta e tosca imitação.

Petra, por outro lado, apesar de ser monumental e grandiosa tudo que estiver em seu caminho, graças ao seu singular espaço, faz de seus monumentos algo único para aqueles que sabem absorver o encanto do silêncio assistindo o caleidoscópio, a transformação interminável de cores à medida que o sol os vai banhando com seu brilho, as sombras balançando ao anoitecer, a Ascensão ao Mosteiro, (a pé ou montado em um burro, fortemente impulsionado pelos beduínos, a chegada a Al Madbah o altar de sacrifícios). Tudo em Petra é emoção e gratidão ao povo Nabateu que deixou para a humanidade o legado mais valioso.Petra16

Excursão Monumental

 Um caminho de pouco menos de um quilometro que conduz até o passadiço de entrada a Petra, que leva diretamente ao Sic. Logo se deparam três grandes blocos de pedra, os dos espíritos (Djin). Um pouco mais tarde, o Túmulo dos Obeliscos. Um trecho da via esta pavimentada como uma estrada romana. Os efeitos da luz sobre a pedra colorido, os sons de rodas de uma carruagem, cascos de cavalos e burros, fazem avivar os sentidos e a imaginação do viajante, já absorto. Apenas 50 metros, semi-oculta pela grande garganta do desfiladeiro Sic a fachada mais fotografada do mundo, a do Tesouro (Al- Khazneh) aparece. Seu nome se deve a que os antigos saqueadores guardavam ali os tesouros, na caixa que coroa a fachada. Steven Spielberg usou este cenário para aumentar as façanhas de Indiana Jones, que entrou no templo em busca do Santo Graal.

No entanto, este ponto é apenas o começo do que virá a seguir. O Teatro e os Túmulos Reais: de Uneishu, a Urna, da Seda, o Coríntio, o Palácio, o Sextius Florentinus, da Rua com Colunatas ou o Mosteiro. Cada ponto armazena uma história, um evento remoto e misterioso, uma emoção forte. E em meio a tudo isso, uma atmosfera especial, uma mistura de respeito e veneração, uma sensação secular parada no tempo. Até as pequenas tendas distribuídas ao longo do caminho, que se somam para preservar as curvas na estrada, refletem idênticos modos de vida de seus antepassados, idênticas formas de vestir e adornar, de cobrir o rosto e o corpo, e na maquiagem. Tudo infunde tranqüilidade e paz e tudo faz supor que o povo de Petra vive sua vida sem grandes aspirações. Deixam passar o tempo, acariciados pela luz e pelo silêncio do deserto.

E ao cair da noite, Wadi Mousa está sozinho, em silêncio, ao amparo das sombras de seus próprios monumentos, suas inacreditáveis gargantas.

Petra hoje se orgulha de ser mais uma das Maravilhas do Mundo.

Petra - Al- Khazneh

Como chegar

Air France oferece vôos regulares com saída de Guarulhos (SP) e conexão em Paris, Royal Jordanian (www.rj.com) oferece vôos regulares com saída de Madri ou Barcelona e chegada a Amã. Também pode voar à capital da Jordânia por Ibéria (www.iberia.com) desde Brasil com conexão na Espanha.

Como se mover

A cidade de Petra está localizada cerca de três horas de Amã pela moderna auto-estrada do deserto e cerca de cinco, se você preferir seguir a estrada conhecida como Caminho dos Reis. A melhor opção é tomar um táxi no aeroporto. O preço será de cerca de 50 dinares, mas regateando pode sair por menos. Outra opção conveniente é para pegar o ônibus para Petra. A empresa Jett (www.jett.com.jo) possui uma moderna frota de ônibus com ar condicionado que partem do aeroporto de Amã em Wadi Musa. 

Informações úteis

Use calçados confortáveis e leve um chapéu para se proteger contra o sol e ainda de beber sempre bastante água potável.

Lembre-se sempre de pedir autorização aos beduínos locais antes de tirar fotos.

Se vista sempre de forma discreta quando visitar uma zona habitada por beduínos. A cultura dos beduínos é muito diferente da cultura ocidental mais liberal e os calções e os tops curtos serão considerados uma falta de respeito.

 

Documentação

Para entrar na Jordânia é necessário estar com o passaporte atualizado com uma validade mínima de seis meses e visto de turista, que pode ser obtido no aeroporto de Amã. Para evitar imprevistos é preferível já providenciar o visto antes de sair do Brasil através da Embaixada da Jordânia em Brasília, você encaminha de acordo com o site Visite Jordânia. Ele custa 20 dinares jordanianos, cerca de R$ 70,00.

Moeda

Dinar jordaniano. Equivalente a R$ 3,20.

Língua

A língua oficial é o árabe, embora seja muito fácil de se comunicar em Inglês em qualquer lugar do país. Deve aprender alguma palavra básica, como "Olá" (Marhaba ") ou " obrigado" ( "shukran " ) .

Fuso horário

6 horas mais que no Brasil.

Clima

A melhor época para viajar para a Jordânia é na primavera e no outono, quando a temperatura é especialmente agradável. Inverno é curto, com chuva esporádica e ventos frios. Embora predomine o clima do deserto, tudo varia dependendo da região que você visita. Em Petra, em dezembro tem um clima excelente. Em Wadi Rum deve levar em conta que à noite a temperatura cai, por isso você deve levar um casaco leve, mas é quente na parte da manhã . Para ambos os locais leve sapatos confortáveis. Em Petra tem que caminhar muito.

Requisitos para entrada em Petra

A entrada custa 21 dinares Petra, para um dia, se forem dois dias 26 e 31 se três. A porta de acesso nunca é aberta antes de 7 horas da manhã e fecha ao pôr do sol. Do centro de visitantes para o Siq é de apenas 800 metros, o que pode ser explorada a pé ou a cavalo por sete dinares mais. Para acessar Wadi Rum tem que pagar dois dinares no centro de visitantes.

Religião e costumes

Na Jordânia, 95 por cento da população é muçulmana e os cinco restantes cristã (católica ou ortodoxa). A maioria das pessoas se veste ao modo ocidental e geralmente, não se opõem a falar sobre questões políticas e religiosas. Na Jordânia, há cerca de dois milhões de palestinos registrados. Os jordanianos adoram esquecer os problemas fumando tabaco como manda a tradição, com Narguileh, cachimbos de água típicos.

Onde dormir

Movenpick Resort Petra Hotel. Wadi Mousa. Petra.  Não há localização melhor para descobrir a cidade de Petra. O hotel fica ao lado da entrada da cidade Nabatea, uma piscina e sauna, perfeitas para relaxar depois de um dia de caminhada. Pedra e madeira forma decoração do hotel ares Oriental com dois restaurantes para saborear o melhor da cozinha local, uma sala de chá e um elegante terraço para observar o pôr do sol sobre Petra, com uma boa música de fundo. O quarto de casal pode ser contratado por cerca desde R$ 280,00.

Petra Marriot Hotel. Wadi Mousa , Petra .Café da manhã na varanda com vista para o perfil dramático do vale de Moisés pode ser uma experiência única. E praticamente todos os quartos deste hotel têm uma vista maravilhosa de Wadi Musa. Dispõe de dois restaurantes: Dushara, culinária mediterrânea, e L' Affresco, cozinha italiana. Tem um SPA completo. Duplo, desde R$ 270,00.

La Maison Hotel Wadi Moussa, Petra. Fica a 5 minutos da entrada para conhecer Petra. Com boa acomodação, conta com café da manha e restaurante.

Seven Wonders Bedouin Camp. Wadi Rum. Localizado no deserto tem inúmeras barracas dentro do qual há camas e cobertores, uma obrigação que as temperaturas costumam cair muito durante a noite. A sua estadia inclui sempre, além de alojamento, jantar comida típica e café da manhã no dia seguinte. À noite, os hóspedes podem sentar-se ao redor da fogueira e apreciar o brilho das lanternas nas rochas sob o luar do deserto, ou beber o tradicional chá nas tendas Beit Shaar.

The Rock Camp. Wadi Rum.  Desfrute de uma ou várias noites em tendas beduínas autênticas perfeitamente equipadas para os turistas, podem ser inesquecível.  Tem chuveiros em uma área separada do acampamento. As noites são sempre animadas. À noite não perca a conversa e uma xícara de chá ao redor da fogueira.Petra33 

Onde comer

Em Petra, indicamos os restaurantes: Alqantarah restaurant, o restaurante Basin, o Crowne Plaza Resort Hotel (serve bebidas alcoólicas) e La Khaimah, gerido pelos próprios beduínos, ao lado do Castelo. Eles têm um delicioso e extenso Buffet por 7 dinares com alimentos típicos. Outra opção é escolher um dos restaurantes dos próprios hotéis. Embora haja também um clássico bastante simples : Al- Arabi, na principal rótula de Wadi Musa, com ótimos pratos (Shaw arma , falafel, homus e cordeiro excelente) a um bom preço. Na entrada de Wadi Rum Rum abre o Restaurante Gate, um Buffet para cerca de oito dinares em que você pode escolher entre doze tipos diferentes de saladas e diversos pratos orientais. Você também pode comer sanduíches para não perder muito tempo antes de embarcar para conhecer o deserto.

Mosaico 

Compras 

Na Jordânia você encontrará muitas coisas lindas, desde tapetes aos mais maravilhosos mosaicos em pedra que já eram feitos desde antes de Cristo. Tanto  Petra e Wadi Rum poderá levar para casa as mesmas lembranças: brincos de prata e colares, lenços coloridos, garrafas recheadas de areia do deserto e algumas quinquilharias (lâmpadas de óleo, caixas ...) sempre trazem à mente a nossa passagem pela Jordânia.

GALERIA DE IMAGENS

VOLTAR PARA HOME 

 

Comentários   

0 #4 Viagem com Sabor 17-11-2015 14:17
Thank you for your comment
Citar
0 #3 shoulder bag leather 04-11-2015 09:49
Keep on writing, great job!
Citar
+1 #2 VIAGEM COM SABOR 31-07-2014 21:03
Gracias a usted Concha, por permitir compartir esta linda reportaje. Abrazos!!!
Citar
+1 #1 Concha 13-04-2014 16:44
Gracias por la estupenda traducción que se hace a mi reportaje de Petra. Perfecto.
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

ÚLTIMAS NOTÍCIAS     -                EVENTOS
  SABOR     -     VINHOS     -     RECEITAS

1DowOS 10 MELHORES VINHOS DO TOP 100 DA WINE SPECTATOR  2014

 

fuegos mayo-Foto Startecnia CanariasfCruzes e fogos de maio em Los Realejos - I.de Tenerife/Canarias.

enoturismo2015f CHAMPAGNE, FRANÇA - IWINETC 2015 CONFERÊNCIA MUNDIAL DE ENOTURISMO  

 

 

Federer Lindsey Lindt JungfrauFEDERER INAUGURA LOJA LINDT EM JUNGFRAUJOCH

 

 

 "UMA JORNADA DE 1.000 KM

  COMEÇA COM UM ÚNICO PASSO" 

 

D.O.M-Sao-Paulo-Brazil

P1000827a  decanter
TAKAJI Fondue q  Pao caseiro2f 
lambrusco0 geleia de pimenta VS  Macarrob
MdmFamiglia-Bianchi-Reserva-Malbec-2012b Mdmf  Vinho4
 

 

      

Publicidade

 

 


 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 



 

 

 

 

Newsletter de Viagem com Sabor

parceiros Vision ViajesTurismo Likeatourist giganet1 Norte Turistico ABLturismo Teleaire Gianpaolobonomi Euromundo

 

 

 

 

 

             

 

               

 

 

             

 

     

 

 

 

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Google+